quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Arte engajada aqui é na martelada

Já há alguns anos, os principais cadernos culturais do Brasil foram dominados pelas críticas e resenhas da arte dita “engajada”. Numa rápida explanação, arte engajada é aquela que está a serviço de uma ideologia política (no caso ideologia esquerdista). Os artistas assumem um papel de agente de transformação social (argh!!!) e utilizam de suas duvidosas artes na intenção e ilusão de transformar as pessoas e o mundo. Assim sendo, distanciam-se anos luz do que realmente seja o real valor do papel da Arte em nosso meio e no mais das vezes, nem se dão conta que estão sendo usados como bucha de canhão para produzir  panfletagem política rasteira.

Além dos cadernos e suplementos culturais, na blogsfera não poderia ser diferente, ocorre o mesmo fenômeno. No terreno movediço das Belas Artes (diga-se de passagem, um meio dominado por uma máfia gay) o que encontramos é puro marxismo cultural promovendo lixo e artistas medíocres de egos inflados expondo suas pretensas produções artísticas de quinta categoria em nome do vanguardismo, termo perigosíssimo freqüentado por oportunistas de plantão. Atualmente, o vanguardismo é literalmente um bota fora de excrementos e escatologia que os pretensos artistas julgam ser Arte. E o pior, na maioria dos casos são subsidiados pelo Estado.

Não se fala mais sobre arte figurativa, nem uma palavra sobre a riquíssima arte sacra. O bom cinema de entretenimento perdeu espaço para o raso cinema de ativismo político e glamourização da bandidagem; a boa poesia perdeu espaço para as asneiras experimentais sem eira nem beira de acéfalos queridinhos dos críticos de momento. Música, Cinema, Artes Plásticas e o Teatro estão cobertos pela bandeira vermelha da foice e do martelo.

Isso tudo não quer dizer que a arte contemporânea e mesmo nos movimento de vanguarda não exista arte decente e que preste. Mas é claro que existe, contudo, desde que vacinadas e refratárias à bandeiras esquerdistas. A produção artística contemporânea cumpre o seu papel de transportar o belo em suas diversas vertentes quando talhadas com o fino bom gosto e senso estético apurado.

A função deste blog é mostrar aos leitores e apreciadores da boa arte o que é verdadeiramente belo e desmistificar ícones incensados pelo mau gosto. As pessoas naturalmente tendem a buscar a Beleza através da Arte. Estética da fome e do feio são simplesmente termos contraditórios. Neste espaço, o bom gosto e Beleza são bem vindos; já, arte engajada, aqui provará de seu próprio veneno, a martelada.